No trânsito da vida
 
 
Nossa vida é uma carta em branco, que vai sendo preenchida ao longo de nossa estrada, com momentos, pessoas e histórias. Alguns acontecimentos são inevitáveis, outros, inesquecíveis. E, nesse trânsito tão incerto, temos picos de turbulência e calmaria e podemos ter a sorte de encontrar ao Norte alguém que dê cor a dias cinzas e engarrafados. E o destino foi feliz a nós, de nos apresentar alguém com o coração tão grande que conseguia transformar até um problema em uma forma de aprendizagem; esse era seu lema. Podia ser quem for, ele não olhava raça, nem cor, procurava sempre estar rindo e brincando, para aliviar o estresse da rotina do cotidiano. Um braço amigo, que podia se contar em todas as horas, que nos dava força, fé e coragem, para enfrentar os gigantes lá fora. Acho que nem a palavra gratidão consegue mensurar o sentimento que temos para agradecer o seu papel na vida de cada um de nós. E queremos guardar, em nossa memória, o sorriso largo e contagiante que sempre alegrava os corredores, a cantina e qualquer um que passasse pra se juntar à história. Te agradecemos por ser esse grande homem, que nos ensinou a como lidar com as coisas da vida, nos causou reflexões e deu muitos conselhos para prosseguirmos nessa trilha. Obrigado por todas as vezes que parou para escutar e dar um grande apoio, seja nos dias de choro ou nos dias de comemorar as nossas conquistas; e, caro amigo, elas foram muitas. E tenho toda convicção e plena certeza que você, Pedro Maia, foi um acontecimento inesquecível e maravilhoso que nós pudemos ter o prazer de ser presenteados com a sua presença em nossas vidas. Você cumpriu o seu trajeto até aqui e, de agora em diante, te levaremos na memória e no coração, sempre lembrando desse sorriso radiante. Não há nada que pague a felicidade que nos proporcionou, pois as coisas mais importantes estão na simplicidade.
 
Te amamos Pedro Maia, de todos os seus amigos de São João del-Rei.
 
Texto: Gabryelle Carvalho Marçal Salgado (aluna do curso de Química).