Herbário virtual possui cerca de 4,2 milhões de espécimens catalogadas para acesso livre

Lançada em 2008, a base de dados do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (INCT HVFF) já possui mais de 4,2 milhões de registros de espécimens catalogadas para acesso livre dos pesquisadores, cientistas, especialistas e interessados no tema. A iniciativa integra o Programa Reflora, coordenado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com a meta de ampliar o acesso à informação sobre plantas e fungos brasileiros disponível na rede mundial de computadores, a internet.

A ampliação da base de dados do INCT foi possibilitada através da parceria com 80 herbários brasileiros e do resgate de registros de espécimens coletadas no Brasil, com outros cinco herbários do exterior. São eles o Jardim Botânico de Nova Iorque (EUA), Museu Field de História Natural (EUA), Departamento de Botânica do Museu Nacional de História Natural Smithsonian (EUA), Jardim Botânico do Missouri (EUA) e Museu de História Natural de Paris (França).

As informações replicadas no site do INCT são as mesmas que constam nas fichas das instituições parceiras descrevendo cada espécime registrada. Já em 2011, foi inaugurado um novo formato de hospedagem dos registros associando imagens da planta e dos fungos coletados.

A coordenadora do Herbário Virtual, Leonor Costa Maia, explica que a participação do instituto no programa Reflora tem dois objetivos principais. Estabelecer um mecanismo de repatriamento dinâmico de dados e informações sobre as amostras de plantas e fungos, de forma livre e aberta, e armazenar e gerenciar imagens, em alta resolução, das amostras depositadas em herbários brasileiros e estrangeiros, oferecendo também serviços na web para facilitar as consultas on-line.

“Juntos, esses herbários estrangeiros disponibilizam mais de 600 mil registros de amostras de plantas coletadas no Brasil, sendo que cerca de 120 mil imagens estão integradas à base textual dos dados repatriados. Uma análise dos dados mostra registros com ano de coleta a partir de 1761, de pesquisadores importantes como H.S.Irwin, G.T.Prance, A. Saint-Hilaire, L.Riedel, A.F.M.Glaziou, B.A.Krukoff, R.Spruce, J.B.E.Pohl, A. Ducke”, ressalta.

O INCT-Herbário Virtual iniciou seus trabalhos em 2008, com uma base de dados de cerca de 1,9 milhão de registros on-line na rede denominada speciesLink. As amostras das espécimens estão cadastradas de formas distintas. Mais de 213 mil registros possuem imagens associadas à base textual e cerca de seis mil possuem também imagens da planta viva antes da coleta. Mais de quatro mil registros de material não identificado possuem imagens associadas. “Estamos em negociação para integrar a base de dados de outros herbários europeus”, informa.

“A associação dessas imagens com os respectivos registros textuais online representa um enorme valor agregado a cada herbário e ao herbário virtual do INCT. Os serviços estão disponíveis a todos os herbários da rede e não está restrito apenas ao material tipo”, lembrou Leonor. “O INCT-HVFF procura incentivar a digitalização e disponibilização online da imagem até de material não identificado, promovendo a e-taxonomia. A interface desenvolvida para a visualização da imagem permite ao usuário a observação de detalhes, a medição de partes da amostra e a comparação de imagens de amostras diferentes”, explica.

Nova interface- Desenvolvida e lançada no site em novembro de 2012, possibilita ao usuário visualizar imagens e produzir tabelas e mapas online de forma dinâmica, com os dados do resultado das buscas. A ferramenta ainda avalia o acesso às ferramentas e produz estatísticas do uso da rede speciesLink.

Segundo Leonor, o número de buscas realizadas por usuários externos saltou de 14 mil por mês, em janeiro de 2013, para cerca de 24 mil, em agosto de 2013. De janeiro a agosto foram realizadas, em média, aproximadamente 19 mil buscas mensais. O número médio mensal de registros visualizados como resposta às buscas dos usuários para o período é de cerca de 125 milhões, sendo que o número médio de registros visualizados pelo usuário, entre eles download, fichas, listas, mapas, gráficos, alcançou 20 milhões.

“Temos números bastante expressivos para um sistema científico. A receptividade está sendo excelente e temos recebido sempre muitos incentivos para continuar o trabalho, que tem servido a todos que precisam saber sobre as plantas registradas no país”.

Além da associação das imagens aos registros do INCT, foi desenvolvido um serviço para uso remoto das imagens, permitindo que as instituições parceiras utilizem as imagens nos seus respectivos websites como se estivessem armazenadas em sua rede. “Cuidados especiais estão sendo tomados para garantir os créditos dos herbários, sempre que uma imagem for utilizada. Talvez o exemplo mais importante da utilização do serviço de imagens do HVFF, seja a Lista de Espécies da Flora do Brasil, que associa a imagem dos vouchers de referência às informações taxonômicas das espécies”, finaliza Leonor.

Fonte: Coordenação de Comunicação Social do CNPq
 


Publicada em 18/09/2013
Fonte: ASCOM

 Voltar