Memórias de fundação: cursos que deram origem à UFSJ completam 65 anos

Padre Fernandinho viveu, ao longo de quatro décadas, vários momentos da história da UFSJ

Em Boitempo, o livro de poemas em que Carlos Drummond de Andrade relembra sua infância em Itabira, a memória autobiográfica se detém sobre três elementos fundantes da história pessoal do poeta: os livros, a casa, os rituais da Igreja. Cantigas, a opa vermelha do pai, a biblioteca verde: “Mas leio, leio. Em filosofias/tropeço e caio, cavalgo de novo/meu verde livro, em cavalarias/me perco, medievo; em contos, poemas/me vejo viver. Como te devoro,/verde pastagem. Ou antes carruagem/de fugir de mim e me trazer de volta/à casa a qualquer hora num fechar/de páginas?”

Trançando os fios da memória, podemos ritualizar Boitempo com a rememoração da história que deu origem à Universidade Federal de São João del-Rei. Livros, rituais, filosofias: em 9 de março de 1954, têm início efetivo as atividades letivas da Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras, autorizada pelo Decreto nº 34.392, de 27 de outubro de 1953, assinado pelo presidente Getúlio Vargas, cujo ministro da Justiça era Tancredo Neves. Mantida pela Inspetoria Salesiana São João Bosco, a escola superior oferecia os cursos de Filosofia, Letras (Neolatinas e Anglo-Germânicas) e Pedagogia, do qual mais tarde derivou a graduação em Psicologia (1972). Há 65 anos, nascia a vocação humanística que sempre caracterizou a formação superior na UFSJ.

O primeiro pilar da trajetória institucional da Federal de São João del-Rei se entrelaça com a presença salesiana na cidade, impulsionada, a partir de 1936, pelo suporte do industrial José do Nascimento Teixeira. A Paróquia de São João Bosco, instituída por decreto do então bispo de Mariana, o salesiano Dom Helvécio Gomes de Oliveira, funcionou provisoriamente na capela do Albergue Santo Antônio, tendo como primeiro pároco Monsenhor Francisco Tortoriello. A construção da Igreja Matriz de São João Bosco (1946) foi simultânea à do Colégio Dom Bosco, que abrigava, desde 1943, a escola de formação de seminaristas. Em 1956, a Faculdade Dom Bosco passou a receber alunos externos, funcionando até 1991.

Paralela à consolidação da pedagogia salesiana em São João del-Rei, a Prefeitura, por meio de sua Fundação Municipal, passou a gerir as faculdades de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (Faceac, 1972) e a de Engenharia Industrial (Faein, 1976). Em 1986, estas três faculdades foram reunidas, dando origem à Fundação de Ensino Superior de São João del-Rei (Funrei), elevada à categoria de universidade federal em 2002, 18 anos após a fusão.

Primórdios

Para esmiuçar a trama desta memória que nos define, vamos recorrer a registros históricos, como fotografias, documentos e textos jornalísticos, mas também aos relatos de quem testemunhou tais acontecimentos. Entre nossas personagens, pontifica o padre salesiano Fernando Anuth, 86 anos, que chegou menino à cidade, em 1945, para estudar no seminário. Padre Fernandinho, como é conhecido por todos, viveu, ao longo de quatro décadas, vários momentos deste itinerário de instrução. Foi, inclusive, ex-aluno da Pedagogia, que cursou em paralelo à Teologia, depois de ter estudado Filosofia no internato. Nada espantoso para quem possui 12 graduações no currículo!

Administrou a Faculdade Dom Bosco por dez anos. Considera que os anos em que esteve à frente da Escola Agrícola Padre Sacramento, confiada à congregação salesiana em 1943, conhecida na cidade e região como Patronato, por cuidar de crianças carentes (e que funcionou onde hoje está instalado o Campus Tancredo Neves), o capacitou para empreitada de tal envergadura. “Vem desses anos a fama de bravo que carreguei a vida toda”, relembra, com ar de troça.

Os ventos do destino influíram sem cessar nos rumos de sua vida, levando-o a Cachoeira do Campo, Araxá, São Paulo, Brasília e cidades diversas, enquanto corriam os anos 1960 e 1970. Apenas em 1975 retornaria à Faculdade Dom Bosco, como administrador, deixando São João del-Rei novamente em 1985, rumo à capital federal, onde acompanhou Tancredo Neves, recém-eleito presidente da República pelo Colégio Eleitoral.

Não testemunhou o processo de fusão da Faculdade Dom Bosco, mas considera ter sido um ganho mútuo. “O ambiente cultural de São João del-Rei forçou os salesianos a abrirem um seminário na cidade. A qualidade dessa formação levou à abertura de uma escola de nível superior. A UFSJ manteve a tradição de um ensino sólido, preservando o espírito de estudos que sempre tivemos aqui, desde o Colégio Dom Bosco”, analisa.

 

A série de reportagens "65 anos de memória" pretende evocar histórias que fazem parte da memorialística da UFSJ, reavivando crônicas institucionais e biográficas que remetem ao início de sua criação e desenvolvimento. Acompanhe no site de notícias, no facebook e na TV UFSJ.


Publicada em 08/03/2019
Fonte: ASCOM

 Voltar