Projeto do Paramec une funcionalidades do smartphone às cadeiras de roda

Já imaginou se as cadeiras de rodas tivessem à disposição as funcionalidades do smartphone, um sistema de comunicação, localização e controle por meio de aplicativos Android? Esse é o objetivo do projeto “Communication System Development Between Smartphone and Smart wheelchair Via Android Application”, do aluno da UFSJ Jonatas Luciel Silvino, que representou o grupo Paramec, em fevereiro, no segundo Workshop Internacional de Tecnologias Assistivas.

O workshop tratou de questões tecnológicas relacionadas a projetos de reabilitação e reintegração de pessoas por meio da engenharia, além de discutir soluções conjuntas para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência. O projeto desenvolvido por Jonatas e pelo Paramec pretende entregar mais segurança e comodidade a essas pessoas, em especial os cadeirantes

O aluno de mestrado em Engenharia Elétrica e coordenador do Departamento de Elétrica no Paramec, Luis Fernando Freire de Souza, acredita que o projeto apresentado na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), onde aconteceu o workshop, é um “ponto de partida”.

O projeto

O Paramec é um projeto extracurricular de pesquisa tecnológica apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O objetivo do grupo é desenvolver produtos de tecnologia assistiva que se adaptem a vários tipos de lesões dos cadeirantes, incluindo até pessoas tetraplégicas.

O projeto se iniciou no ano de 2017 e possibilitou que os alunos da universidade colocassem em prática o conhecimento desenvolvido em sala de aula, transformando-o em trabalho em equipe, construção, testes e promoção de protótipos.

É composto por mais 20 alunos de graduação, um de pós-graduação e nove professores da UFSJ. Compõem o Paramec alunos de cursos como Engenharias Elétrica, Mecânica e Produção , Matemática, Arquitetura e Educação Física.

Dentre as principais funcionalidades da cadeira de rodas desenvolvida pelo Paramec pode-se destacar: sistema de segurança, subida em pequenos degraus e rampas mal construídas, pesquisas em inteligência computacional, ergonomia e conforto do usuário, tudo isso associado a buscas por materiais resistentes e de baixo peso.

Quem se interessar pelo projeto, pode obter mais informações pela página no Facebook do grupo.


Publicada em 12/03/2019
Fonte: ASCOM

 Voltar