"É uma situação muito grave", afirma Sérgio Cerqueira sobre cortes no orçamento da UFSJ

O reitor da Universidade Federal de São João del-Rei, Sérgio da Gama Cerqueira, avaliou os cortes orçamentários feitos pelo Ministério da Educação nas universidades e institutos federais - na UFSJ, o corte foi de 32% do orçamento (o que representa 40% do custeio). "É uma situação muito grave", alertou o dirigente. A fala foi feita durante debate com a comunidade acadêmica na noite de quinta-feira (9/5), no auditório da Biblioteca do campus Dom Bosco (CDB).

Ele explicou que o corte atinge os recursos de custeio - usado para pagar terceirizados, contas de água e luz e bolsas de iniciação científica, de extensão, de monitoria e de pós-graduação. Assim, de R$ 45 milhões no início deste ano, a universidade viu os recursos caírem a R$ 27 milhões.

Sérgio Cerqueira apresentou alguns custos envolvidos nessa verba. Só os terceirizados custam R$ 25 milhões. A conta de luz dos campi custa R$ 2,5 milhões anual. Assim, os valores já extrapolam o novo valor de custeio. "A UFSJ consegue virar o ano? Talvez", respondeu ele, enfatizando que a universidade começou o ano com as contas em dia.

O gestor alertou, porém, para o risco da existência das universidades a médio e longo prazo se a situação persistir. 'Estamos dentro da universidade federal porque acreditamos em um projeto de país soberano e socialmente justo", defendeu.

Assistência estudantil

Uma das principais preocupações dos estudantes foi referente às ações de assistência estudantil, como bolsas de permanência e restaurante universitário. De acordo com a pró-reitora de Assuntos Estudantis, Josiane Nogueira, por ora esses recursos não sofreram cortes e estão garantidos no Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes). Entretanto, ela alertou que esse direito está baseado em um decreto e pode ser revisto a qualquer momento, sem passar pelo Congresso Nacional.

Atualmente, a universidade conta com R$ 12 milhões em recursos para assistência estudantil, distribuídos da seguinte forma: R$ 6 milhões para bolsas, R$ 4 milhões para funcionamento dos RUs, R$ 1 milhão para ações de saúde e atendimento psicológico e R$ 1 milhão para outras atividades (como apoiar viagens para congressos).

O assessor especial para o Desenvolvimento do Ensino em Saúde da UFSJ, Rodrigo Chavez Penha, lembrou que as universidades públicas são responsáveis por mais de 95% da produção científica do Brasil. "Quem dá qualidade de formação nesse País é a universidade pública. Elas não são do governo, são nossas... Ensino não é mercadoria, é o que leva o país a frente", defendeu.

Entenda mais sobre o orçamento da UFSJ

O orçamento da universidade é dividido em diferentes grupos: pagamento de folha dos servidores ativos e inativos, assistência estudantil, capital (investimentos, compra de equipamentos, construção de prédios, entre outros) e custeio - fatia onde houve os cortes.

Em relação ao recursos de capital, hoje a universidade conta com apenas R$ 2 milhões, além de um reforço com valores obtidos por meio de emendas parlamentares (cerca de R$ 1,4 milhão). O orçamento de capital na UFSJ já chegou a R$ 160 milhões em anos anteriores.


Publicada em 10/05/2019
Fonte: ASCOM

 Voltar