Artes Vertentes mergulha na seara da diversidade

O terceiro encontro do Ciclo Pororoca: o encontro das artes, que integra a programação do Festival Artes Vertentes 2020-2021, vem suscitar reflexões sobre o tema da diversidade, centrado em vozes e olhares que contribuem para seus contornos. Nesta terça, 22, às 19h, com apresentação de Luiz Gustavo Carvalho. neste canal, onde os encontros ficam gravados.

Em conversa com a líder indígena, escritora e professora Shirley Djukurnā Krenak, e com o indigenista, antropólogo e cineasta Vincent Carelli, esse encontro vem abordar as narrativas indígenas construídas a partir dos sons e miradas de diversos povos indígenas, destacando a estreita relação existente entre narrar e preservar: vida, memória, identidades e meio ambiente, entrelaçados.

Durante os últimos cinco séculos - fundamenta a proposta - o Brasil “legitimou um ideário que vem permitindo a destruição da floresta e dos povos originários, em nome de interesses dos centros de poder.” Mesmo em face das tentativas de “abafamento ou mesmo silenciamento das vozes de resistência, nas últimas décadas os povos indígenas passaram a divulgar suas narrativas múltiplas.”

Nos próximos encontros, teremos a participação de alunos e ex-alunos da UFSJ. Acompanhem!


Publicada em 22/09/2020
Fonte: ASCOM

 Voltar