A paixão pela Medicina e pela docência

“Sou apaixonado pela carreira docente.” Assim o coordenador do curso de Medicina do Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO), Gustavo Rocha, resume a relação que tem com a vida universitária. Mas a escolha pela Medicina não se deu de forma tão assertiva. O então jovem estudante estava dividido entre ser médico ou engenheiro. O que pesou a favor da escolha foi o lado humano da profissão. “O que me motivou foi a possibilidade de ajudar as pessoas, de fazer a diferença na vida delas e das comunidades.”

O próximo passo seria escolher em qual área iria atuar, e a decisão foi pela Infectologia, sendo residente e pós-residente no Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte. Desde a graduação, Gustavo tem se dedicado a pesquisas na área, em especial com pacientes portadores de HIV.

Outra mudança ocorre em 2008, quando presta concurso para ser professor da UFSJ. Ele relembra que a posse, no ano seguinte, foi um divisor de águas. “Minha vida mudou e para muito melhor”, assegura. O início não foi fácil: precisava conciliar a docência com as atividades do mestrado e, logo em seguida, do doutorado. “Atuar como docente na universidade pública nos permite uma ampla área de atuação, sempre desenvolvendo nossos projetos. Então é muito motivador”, afirma.

Medicina CCO
Com 12 anos de implantação, o curso de Medicina do CCO tem, como uma de suas características mais importantes, a vivência prática de professores e alunos na rede de saúde da região de Divinópolis (MG). Além disso, permite a formação de profissionais que poderão atuar nessas localidades, fortalecendo o atendimento aos moradores.

Gustavo defende que os novos profissionais trabalhem levando em conta o papel humanístico da Medicina, prezando pelo cuidado e escuta, exercendo a empatia com os pacientes.

Em relação ao futuro, há uma grande expectativa pela conclusão do Hospital Regional de Divinópolis, obra do governo do Estado, para ser mais um campo de prática dos estudantes. E pela reforma curricular, que vai inserir carga horária em Medicina da Família e Comunidade na formação dos estudantes da UFSJ.
 

 

Publicaremos, ao longo desta semana, uma série de perfis que homenageia os professores da UFSJ.
Como não é possível entrevistar a todos, contamos com a ajuda do Setor de Registro na definição de nossas fontes,
segundo critérios que buscaram contemplar a diversidade que caracteriza nossa comunidade docente.


Publicada em 19/10/2020
Fonte: ASCOM

 Voltar