Covid-19: periódico internacional publica artigo da UFSJ

Análise dos fatores de risco de mortalidade em pacientes com Covid-19 hospitalizados: um estudo baseado em dados utilizando a maior base de dados brasileira. Esse é o título em português do artigo científico publicado recentemente no periódico internacional Plos One, e que foi elaborado por quatro professores da UFSJ e uma pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Segundo a professora do Departamento de Ciências da Computação (Dcomp) e uma das autoras, Fernanda Sumika Hojo de Souza, o artigo apresenta estudo pioneiro de delineamento do perfil de pacientes brasileiros com Covid-19 hospitalizados e análise dos fatores de risco de mortalidade. “Conhecer o perfil dos pacientes com Covid-19 e os fatores de risco para morte é de suma importância para a melhoria dos protocolos de contenção da doença. Assim, identificar as faixas de idade mais atingidas, as comorbidades que levam ao quadro mais grave da doença, incluindo fatores socioeconômicos como escolaridade, raça e diferenças entre as regiões do Brasil, pode ser de grande auxílio”, afirma a professora.

O estudo, baseado nos dados de mais de 162 mil pacientes que testaram positivo para Covid-19 pelo teste de PCR-RT, foram extraídos do SIVEP-GRIPE, e permitiu aos pesquisadores constatar que a taxa de hospitalização é maior entre os homens (56,6%) e entre os pacientes mais idosos de ambos os sexos. A taxa de letalidade é bastante elevada para pacientes diagnosticados que são hospitalizados (41,3%), especialmente aqueles com idade acima de 60 anos. Os principais sintomas apresentados foram tosse, dificuldade e desconforto respiratório, febre e baixa saturação de oxigênio. As comorbidades mais prevalentes foram doença cardíaca, diabetes, doença renal, neuropatia e doença pulmonar.

Cerca de 40% desses pacientes precisaram ser internados na UTI e a maioria (62%) veio a óbito. Entre os que necessitaram de ventilação mecânica invasiva, a taxa de letalidade foi extremamente alta, de 83%. Já para pacientes com idade abaixo de 40 anos, os fatores de risco para prognóstico ruim foram necessidade de ventilação mecânica invasiva e existência de comorbidades como diabetes e imunossupressão. Também foi constatada a baixa hospitalização de pacientes asmáticos e, entre aqueles hospitalizados, a taxa de recuperação foi o dobro daqueles que morreram, concluindo-se que a asma não é fator de risco para a Covid-19.

Outro aspecto que chamou a atenção dos pesquisadores foi a forma desigual com que a pandemia afeta diferentes segmentos da população: a taxa de letalidade foi maior entre pacientes das regiões Norte e Nordeste, de cor/raça não-branca, com níveis educacionais mais baixos.

Assinam o artigo, além de Fernanda, os professores da UFSJ Daniel Ludovico Guidoni (Dcomp), Ben Dêivid Oliveira Batista (Departamento de Estatística, Física e Matemática - Defim), Cristiano Maciel da Silveira (Departamento de Tecnologia em Engenharia Civil, Computação, Automação, Telemática e Humanidades - Dtech), e da pesquisadora do Laboratório de Imunologia da Fiocruz-MG, Natália Satchiko Hojo de Souza. Os pesquisadores participaram em diferentes partes de construção do texto, que inclui desde a conceituação e curadoria de dados até a validação, redação e revisão. “Através de um esforço colaborativo e reuniões remotas, foi possível o desenvolvimento do trabalho”, afirma Fernanda Sumika.

O artigo completo pode ser acessado neste link: https://bit.ly/3m5bG47.


Publicada em 29/03/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar