Dia das Mães na UFSJ

Alice Ruiz escreveu em um de seus poemas: “Depois que um corpo / comporta outro corpo, / nenhum coração suporta o pouco.” É uma definição certeira sobre o que faz de mães esses seres que geram frutos, seja em nossos ventres, seja em nossos corações. Mães que traduzem vida, fúria, amor, partilha, orgulho, incertezas – sempre o excesso de si, sempre o transbordamento do outro, sempre uma marca, indelével, cantada em letra, música e verso.

Foi o verso que a Assessoria de Comunicação da UFSJ escolheu para homenagear, neste domingo, suas servidoras, suas filhas e filhos, retratados em momentos singulares de suas biografias. Verso de Conceição Evaristo, na voz de Iasmim Alice, aluna do curso de Teatro, inscritas no círculo mágico da maternidade – eu digo aquilo para o qual você concebeu existências.

Poderia ser cinza o verso, poderia ser lívido o gesto, neste ano de dores em escalada, em que o pranto disputa palmo a palmo com o riso. Mas seguimos, a utopia fecundada, yabá plena, hotxuá de arte e ofício.

Assista aqui nossa homenagem. E compartilhe muito!
 


Publicada em 09/05/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar