Festival Artes Vertentes começa quinta, 14, em Tiradentes

Evento traz como tema "Crenças" e firma parceria com a UFSJ em diversas atividades. Concertos com Jacob Katsnelson, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e exposição de obras de Éder Santos, Pierre Verger, Cildo Meireles e Nelson Leirner são destaques

Tiradentes, a pequena e charmosa cidade histórica vizinha de São João del-Rei, é inspiração para artistas e pesquisadores de diversas áreas, do ambiental ao histórico. A paisagem abundante em montanhas e casarios é cenário de um rico festival de artes que reúne nomes de diversas partes do mundo da literatura, música, teatro, audiovisual e outras tantas manifestações culturais. É o Festival Artes Vertentes, cuja edição de 2017 começa dia 14 de setembro, com o imperdível concerto de abertura que mescla Bach, Beethoven e leituras da escritora Maria Valéria Rezende (20h, Matriz Santo Antônio). 

Nos dias seguintes, atrações como a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (17/9, 17h, Matriz Santo Antônio), o pianista russo Jacob Katsnelson (diversos concertos) e exposições de obras de Éder Santos, Pierre Verger, Cildo Meireles e Nelson Leirner tomam conta de igrejas, museus e o Centro Cultural Sesiminas Yves Alves.

Pelo segundo ano consecutivo, a Universidade Federal de São João del-Rei está envolvida diretamente em uma série de atividades do Festival. Confira, abaixo, algumas dessas ações.

Ciclo de Ideias e tema “Crenças”

Parceria do Artes Vertentes com a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da UFSJ (Proex), o Ciclo de Ideias proporciona um conjunto de debates com destacados artistas e intelectuais nacionais e internacionais atuantes em diferentes áreas do conhecimento.

A curadoria do evento, cuja temática principal desta edição são as Crenças, é de Luiz Gustavo Carvalho, pianista e diretor artístico do Festival Artes Vertentes, e do professor do curso de Artes Aplicadas da UFSJ, Ricardo Coelho, artista visual multimídia e curador independente. Ricardo explica que o Ciclo de Ideias 2017 reúne 12 profissionais de Artes Visuais, Literatura, Filosofia, Política, Dança, Teatro, Cinema e Comunicação. "Mesmo com a plena consciência dos limites que nosso recorte implica diante das quase infinitas dimensões da crença, pretendemos oferecer um campo fértil ao público participante, instigado a extrapolar algumas das ilusórias fronteiras do conhecimento humano.”

Os participantes – estudantes ou membros da comunidade em geral – que assistirem a pelo menos quatro dos sete encontros do Ciclo terão direito a certificado de extensão ratificado pelo Festival e pela UFSJ. A programação completa do Ciclo de Ideias pode ser consultada no link www.artesvertentes.com/ciclo

Extensão

A parceria entre Festival e Universidade não para no Ciclo de Ideias. O Festival Artes Vertentes e a UFSJ caminham juntos nos projetos de extensão “Inicialização Musical com Flauta”, coordenado pelo professor do Departamento de Música (Dmusi/UFSJ) Iura de Rezende, e “Introdução ao Desenho e à Pintura”, coordenado pelo professor Ricardo Coelho.

Iura, inclusive, apresenta-se com sua clarineta ao lado de Jacob Katsnelson, Gustavo Carvalho, Julian Arp (violoncelo) e Hugo Ticciati (violino) no Concerto Dobras do Tempo, dia 19, às 18h, na Igreja São João Evangelista. No dia seguinte, mesmo horário e local, participa de concerto com Gustavo e Fernando Rocha (percussão)

Na abertura oficial do evento (14/9, 17h30, Centro Cultural) será exibida a animação “Último andar”, resultado da oficina ministrada pela cineasta e ilustradora Svetlana Filippova, como parte do projeto de introdução ao desenho e à pintura. Já a exposição "A crença na liberdade" (16/9, 11h, Casa Padre Toledo) apresenta ilustrações de crianças que frequentam curso promovido ao longo do ano e viabilizado pela parceria do Festival com a Universidade e a Associação de Moradores do Alto da Torre (AMAT), em Tiradentes.

Feminino: movimento de origem

Quem não gostaria de estrear ao lado de nomes de peso da arte nacional, como Pierre Verger, Cildo Meireles, Nelson Leirner e Éder Santos? A profissional graduada no curso de Artes Aplicadas da UFSJ, Ísis Alcântara, exibirá, pela primeira vez, o seu impressionante friso cerâmico intitulado “Feminino: movimento de origem”, obra realizada durante seu trabalho de conclusão de curso, defendido em agosto. As exposições serão abertas para visitação desde o primeiro dia do evento, 14, no Centro Cultural.


Publicada em 12/09/2017
Fonte: ASCOM

 Voltar