Ações concretas pela valorização da vida

A campanha do Setembro Amarelo na UFSJ, em 2020, volta sua atenção aos agravos na saúde mental causados pela pandemia da Covid-19. O suicídio, tema da iniciativa, é uma das questões que necessitam de cuidado nesse contexto. A Universidade conta com profissionais atentos à prevenção desse fenômeno de saúde pública, que atuam por meio de ações focadas na valorização da vida. Entender como identificar sinais e ajudar as pessoas são algumas das frentes de trabalho.

Para o professor do Departamento de Psicologia da UFSJ (Dpsic), Mário César Rezende Andrade, o suicídio não é tratado com o devido peso pela sociedade e o Setembro Amarelo vem preencher essa lacuna. “As ações desenvolvidas geralmente apresentam dados, além de fatores de risco e protetivos, mas são as atividades concretas que fazem a diferença na prevenção. É preciso trabalhar o suicídio como algo real.”

O primeiro passo para a prevenção, de acordo com o docente, é entender que as pessoas que pensam em acabar com a própria vida veem o suicídio como uma solução para um problema. “As ações devem estar focadas em mostrar outras formas funcionais de resolver a questão, apresentando maneiras diferentes de lidar com as dificuldades. É necessário validar o sofrimento destas pessoas, dando um peso real ao que estão vivendo, sem menosprezar os sentimentos. Somente a partir desse momento, é possível ajudar a superar”, esclarece.

Durante o acolhimento a esses pacientes, é importante ensinar a reconhecer os sinais e aprender a lidar com as emoções que os levam a cogitar a prática do suicídio. A identificação de mudanças comportamentais também é necessária por parte de amigos e/ou familiares, porque pode contribuir com a prevenção, encaminhando, por exemplo, para o tratamento psicológico.

Atendimento gratuito
O Observatório de Saúde Coletiva (Obesc) passou a oferecer atendimento psicológico a qualquer pessoa que necessite, por meio de plantão on-line. A Sala de Formação e Acolhimento é a responsável por essa atividade que, inicialmente, era exclusiva para profissionais de saúde que precisavam de apoio emocional durante a pandemia. O professor Mário César integra a equipe do Obesc, sobre o qual podem ser obtidas informações no site.

Ensino que acompanha a realidade
Diante da relevância dos efeitos da pandemia na vida cotidiana, o professor Mário César, juntamente com o professor Marco Antônio Silva Alvarenga, também do Dpsic, propuseram a disciplina Psicologia das pandemias, oferecida como unidade curricular durante o período remoto emergencial. O conteúdo reflete sobre os impactos psicossociais causados pela Covid-19, buscando preparar estudantes para atuar em situações similares. As 35 vagas disponibilizadas foram preenchidas.


Publicada em 18/09/2020
Fonte: ASCOM

 Voltar