O desafio de se colocar no lugar do outro

“O mais importante em ser médico é ter uma postura de entender e acolher o próximo.” Assim o coordenador do curso de Medicina da UFSJ, Campus Dom Bosco, Joel Lamounier, professor e médico, resume o papel desse profissional. Segundo ele, além de avaliar o paciente de forma individual, é preciso levar em conta o meio social em que está inserido.

A Medicina possui diversas áreas de atuação para seus graduandos. No caso de Joel, a escolha foi pela Pediatria, após graduação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “Na minha família não tinha ninguém médico. Trabalhei, me esforcei muito, saí de casa cedo. Trabalhava durante o dia e estudava à noite”, relembra.

Atuou em postos de saúde em bairros de Belo Horizonte, clínicas, hospitais. Na Pediatria, um fator positivo é o fato de o organismo infantil ter grande capacidade de resposta. Entretanto, há também os dissabores: “Não é fácil a gente enfrentar o sofrimento de uma criança”, comenta.

Medicina UFSJ
Professor por 35 anos na UFMG, Joel Lamounier ingressa na UFSJ em 2010, para ser professor no Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Em 2013, a reviravolta: “A professora Valéria Kemp era reitora e me trouxe um desafio, que era ir para São João del-Rei iniciar o curso de Medicina. Partimos do zero.”

De acordo com o coordenador, o curso contava, inicialmente, com apenas três professores. A decisão tomada foi de receber menos estudantes (20 por semestre), para permitir um acompanhamento mais próximo do desenvolvimento de cada um deles.

A expectativa é de criar um impacto positivo na região. “A importância de levar o curso para São João del-Rei é no sentido que possa trazer contribuições e melhorar a saúde, com foco principalmente no SUS”, afirma. Ano passado, foram formados os primeiros profissionais médicos.

O professor entende que o futuro do curso está atrelado ao da Universidade como um todo, e por isso defende um planejamento de longo prazo, priorizando as discussões de como a tecnologia pode contribuir com a formação e a prática profissionais, mas sem perder a essência, que é a relação entre médico e paciente.

 

Publicaremos, ao longo desta semana, uma série de perfis que homenageia os professores da UFSJ.
Como não é possível entrevistar a todos, contamos com a ajuda do Setor de Registro na definição de nossas fontes,
segundo critérios que buscaram contemplar a diversidade que caracteriza nossa comunidade docente.

 


Publicada em 19/10/2020
Fonte: ASCOM

 Voltar