Nota em solidariedade às universidades federais brasileiras

A Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) publicou nota em solidariedade às universidades federais brasileiras. O texto alerta para o comprometimento do funcionamento das federais diante dos sucessivos cortes orçamentários, num momento em que os estudos para o desenvolvimento de vacinas contra Covid-19 e o sequenciamento genético das variantes do Sars-Cov-2 no Brasil, “dois exemplos de trabalhos no âmbito das universidades, deveriam ensejar mais investimentos no sistema de ciência e tecnologia do país, nunca o contrário”.

Confira, abaixo, a nota na íntegra:

“A Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) alerta para o comprometimento do funcionamento das universidades federais brasileiras em razão dos sucessivos cortes orçamentários aplicados pelo governo federal.

O fazer científico das universidades é um trabalho de equipe, em rede, dependente de conexões entre os pares, intercâmbios de descobertas, reflexões e do conhecimento acumulado ao longo de anos de pesquisa. A falta de financiamento adequado das universidades atinge, portanto, todos que fazem ciência no país e toda a sociedade que depende dessa produção científica.

Neste momento de pandemia, os estudos para o desenvolvimento de vacinas contra o vírus Sars-CoV-2, causador da pandemia de Covid-19, e o sequenciamento genético de suas variantes no Brasil, dois exemplos de trabalhos liderados no âmbito das universidades, deveriam ensejar mais investimentos no sistema de ciência e tecnologia do país, nunca o contrário.

No atual cenário, a Abruem classifica como “inadmissível” e “devastador” o corte de cerca de R$ 1 bilhão no orçamento para 2021 voltado ao custeio de despesas básicas e à manutenção da infraestrutura das universidades federais. Todas as instituições afiliadas à Abruem repudiam essa política que se coloca contrária à educação e à ciência do país e se colocam de prontidão para a defesa das universidades públicas.”


Publicada em 31/05/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar