Vidas LGBTQ+ importam

Mais uma pesquisa da pós-graduação da UFSJ vai ganhar o status de livro! Desta vez, trata-se do estudo realizado por Lidiani Vanessa da Silva, com uma temática que trabalha a suicidalidade no público LGBTQ+, por meio das narrativas de vida de diferentes gerações. A dissertação de Lidiani foi defendida no Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Enfermagem (PGENF), em 2019, com orientação da professora Nadja Cristiane Lappann Botti.

O livro, intitulado Vidas LGBTQ+, estará disponível a partir desta quinta, 14, no site da editora, em formato de e-book, com acesso livre, havendo a possibilidade para quem quiser comprar o livro impresso. Os bordados da capa foram feitos pela professora Nadja.

O estudo de Lidiani fala sobre preconceito e discriminação como fenômenos presentes no cotidiano da vida social que, ao se apresentarem de várias maneiras, delimitam normas e padrões sociais. Ela explica que as pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e queers (LGBTQ+), por sofrerem violência homofóbica, a não-aceitação por parte da família, as discriminação social e religiosas, as agressões e ameaças vividas no cotidiano, podem ter a saúde mental fragilizada. Além dos fatores enumerados, as pessoas que não se enquadram na heterossexualidade e na cisgeneridade apresentam maior número de mortes por suicídio.

Diante desse histórico, a pesquisa se propôs a analisar narrativas de pessoas LGBTQ+ em relação ao comportamento suicida em uma cidade do interior de Minas Gerais. De acordo com a pesquisadora, a história oral temática permitiu a compreensão da realidade vivida por essas pessoas, desvelando que o comportamento suicida se encontra presente em seus cotidianos, sendo necessárias estratégias de valorização da vida e do viver LGBTQ+.

Participaram do estudo pessoas LGBTQ+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) pertencentes às gerações baby boomers, X, Y e Z. Como critério de inclusão, Lidiani entrevistou maiores de 18 anos que se declararam LGBTQ+, que vivenciaram o comportamento suicida ou que conheceram amigos, familiares, companheiros, entre outros, com história de suicidalidade.


Publicada em 14/10/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar