Laboratórios do Curso de Filosofia


 

 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - (Pibid) 

PIBID - programa institucional de bolsa de iniciação à docência, instituído pela CAPES, em sua última versão por meio da Portaria nº 96, de 18 de julho de 2013, manteve como objetivos primordiais elevar a qualidade da formação inicial de professores nos cursos de licenciatura, promovendo a integração entre educação superior e educação básica“; e “inserir os licenciandos no cotidiano de escolas da rede pública de educação, proporcionando-lhes oportunidades de criação e participação em experiências metodológicas, tecnológicas e práticas docentes de caráter inovador e interdisciplinar que busquem a superação de problemas identificados no processo de ensino-aprendizagem”.

O PIBID do curso de Filosofia participou dos editais de 2009 e 2013 atuando em três escolas públicas de São João del-Rei, a saber: Escola Estadual Dr. Garcia de Lima, Escola Estadual Governador Milton Campos e Escola Estadual João dos Santos.

O subprojeto de Filosofia definiu como seu objetivo principal promover em sala de aula uma experiência de pensamento, conjugando problemas, conceitos e desenvolvimento de habilidades reflexivas. O trabalho em sala de aula sob a ótica pedagógica e mesmo didática procurou selecionar práticas facilitadoras da aprendizagem, buscando um ensino de Filosofia mais adequado e factível ao público do Ensino Médio.

Nesse sentido, considerou que os caminhos mais adequados ao estudo dos temas abordados pelos autores filosóficos são os que levam do contexto ao texto, do evento ao texto, do problema ao texto. Os problemas, como eixos do pensar, são potencialmente sensíveis quando identificados também na gama de experiências do estudante.

A existência de bons livros didáticos, não desobriga o profissional de educação de se tornar autor de seus próprios materiais. Uma solução possível para incentivar a criatividade, a autonomia e autoria dos novos profissionais que atuarão nas escolas foi incentivá-los a elaborar projetos de ensino, minicursos ou unidades de trabalho que considerassem a realidade da sua escola e a quantidade de aulas semanais.

As experiências nas escolas demonstraram que a execução de projetos produzidos pelos bolsistas foi exeqüível e deu bons resultados, quando se considerou a realidade da Filosofia no Ensino Médio.

Na feitura dos projetos, foi considerado o potencial interdisciplinar da Filosofia, integrando-os com outras áreas do conhecimento e outros subprojetos do PIBID/UFSJ.

Partindo de seus conteúdos disciplinares, o subprojeto estimulou também práticas transdisciplinares de caráter inovador, buscando superar problemas identificados no processo de ensino-aprendizagem e desenvolveram ações que valorizaram o trabalho coletivo.

Os projetos e intervenções desenvolvidos pelos bolsistas levaram em consideração as sugestões de conteúdo e habilidades propostas pelo CBC de Filosofia/Caderno Básico de Conteúdo da Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais. Além da legislação pertinente, o aporte teórico utilizado considerou de maneira especial as publicações de GALLO, Sílvio (2000, 2003, 2007, 2012) e sua proposta metodológica denominada “Oficina de conceitos”. Também deram suporte às práticas em sala de aula os estudos de RODRIGO, Lídia (2009), KOHAN, Walter (2000) e LORIERI, Marcos (2002).

A UFSJ apresentou proposta para a continuidade do Pibid em 2018, respondendo aos Editais 07/2018/CAPES e 06/2018/CAPES. A Instituição foi selecionada para fazer parte do novo programa do PIBID e do primeiro programa de RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA. Estamos aguardando a data oportuna para a submissão do projeto institucional, composto pelos subprojetos das licenciaturas existentes na UFSJ. 

 

Programa de Educação Tutorial - (PET)

O PET-Filosofia da UFSJ foi criado em 2002 sob a tutoria da Prof.ª Dr.ª Glória Maria Ferreira Ribeiro, e atualmente está sob a tutoria do Prof. Dr. Fabio de Barros Silva. As atividades do programa se baseiam na tríade: ensino, pesquisa e extensão. Trabalhando com organização de eventos acadêmicos na Universidade (apoio à Semana de Filosofia, Ciclo de Palestras, Caixa de Pandora), atividades extensionistas com o projeto CAA parceiro do programa e pesquisas realizadas pelos discentes que compõem o grupo. 

 

Laboratóro de Lógica, Epistemolgia e Filosofia da Linguagem - (LABLE)

http://ufsj.edu.br/lable

Laboratório criado em 1997, pelo Departamento de Filosofia a Métodos da UFSJ, para estimular a colaboração entre docentes e a preparação de alunos para a pesquisa. Até 2013, o Laboratório foi coordenado pela Profa. Mariluze Ferreira de Andrade e Silva. Em virtude da aposentadoria da professora, o laboratório esteve sobre a coordenação dos professores Rogério Antonio Picoli (2013, 2015), Luiz Paulo Rouanet (2014) e Rodrigo Gouvea (2016, 2017). Os objetivos principais do laboratório são: a. Reunir professores e alunos interessados em investigar temas filosóficos e interdisciplinares relacionados aos campos da lógica, da epistemologia e da filosofia da linguagem; b. Desenvolver estratégias pedagógicas para difundir o conhecimento sobre temas filosóficos; c. Estimular o interesse pela pesquisa e oferecer suporte material e intelectual aos alunos, com a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade do ensino e o desenvolvimento de competências em pesquisa filosófica.

 

Laboratório de Estética - (Artemis)

http://www.ufsj.edu.br/artemis

Criado há 20 anos, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Glória Maria Ferreira Ribeiro, o Laboratório se divide em três linhas de pesquisa: 

a) hermenêutica e linguagem, onde tem por objetivo investigar as relações no pensamento de Martin Heidegger;

b) diálogos entre Filosofia Antiga e Contemporânea, estudando o ideário antigo e contemporâneo para compreender o fenômeno da linguagem e sua relação com o sagrado;

c) arte, cultura, fenomenologia e patrimônio que visa, através do estudo das possíveis relações entre jogo, existência, espaço e discurso, construir um referencial hermenêutico que nos possibilite repensar as políticas públicas de preservação do patrimônio. Trabalhando com produção de material didático para aulas presenciais e a distância e para educação patrimonial.

Atividades de Ensino:

Núcleo Permanente de Produção de Material Didático -produção de material didático para aulas presenciais e a distância.

  

Animação sobre as Três Transformações do Espírito

Atividades de extensão:

Produção de material para educação patrimonial (cartilhas, documentários https://www.youtube.com/watch?v=qv--_LOnml8 etc.).

Desenvolvimento de Projetos e Programas de Extensão ligados ao Patrimônio material e imaterial de São João del-Rei. Desde do ano de 2012 o Laboratório coordena o Programa de Extensão Centro de Referência da Cultura Popular Max Justo Guedes da UFSJ (http://centroculturalmjguedes.blogspot.com.br/2013/11/sobre-max-justo-guedes.html) que trata da implantação de um museu de território no Espaço Fortim da UFSJ em parceria com o Museu do Barro do Curso de Artes Aplicadas. Fortim dos Emboabas, construção colonial de 1907, foi adquirida pelo Almirante Max Justo Guedes, que faleceu em 2011. Alto escalão da Marinha do Brasil, possuía uma grande bagagem intelectual; era especialista em História Naval Brasileira e História da Cartografia. A casa e todo o seu acervo em peças artísticas, como o acervo de cerâmica de várias regiões do Brasil, foram doados ainda em vida para a Universidade Federal de São João del-Rei, com o objetivo de transformar o antigo casarão num espaço cultural para a comunidade do Alto das Mercês e toda a São João del-Rei.

Atividades de pesquisa:

Grupo de Estudos Permanente sobre Pensamento Contemporâneo.

Capacidade de Atendimento: 10 alunos fixos e de 20 a 25 flutuantes


 

laboratório de Educação em Filosofia - LAFIL

Coordenado pela Profª Maria José Netto Andrade, criado em outubro de 2003, pretende, de modo geral, integrar ensino, pesquisa e extensão, visando a contribuir para a formação dos estudantes do curso de graduação em Filosofia da UFSJ, modalidade Licenciatura, como profissionais que atuarão no Ensino Fundamental e Médio.

A prática extensionista tem merecido destaque em sua trajetória como oportunidade de vivenciar a realidade das escolas públicas do município, integrar teoria e prática na formação dos estudantes, reduzir a distância entre Universidade e escola pública, ambas consideradas como espaços de formação fundamentais.

Neste contexto, tem como indispensável promover: 

1.    a construção de uma postura crítico-reflexiva dos saberes que sustentam as práticas pedagógicas dos professores no cotidiano escolar;

2.    a formação continuada dos professores de Filosofia enquanto profissionais que já atuam nas escolas públicas e privadas de Ensino Fundamental e Médio;

3.    a realização de projetos de pesquisa sobre fundamentos filosóficos da educação;

4.    a realização de cursos de extensão e de outras modalidades conforme necessidades detectadas na realidade escolar;

5.    a prestação de assessorias e consultorias às escolas de Ensino Fundamental e Médio no que se refere ao ensino de Filosofia;

6.    a realização de grupos de estudo sobre propostas de ensino de Filosofia e suas fundamentações teóricas. Destaca-se neste propósito, o estudo dos fundamentos e a realização de práticas correspondentes ao programa Filosofia para Crianças – Educação para o pensar de Matthew Lipman;

8.    a produção de material pedagógico de Filosofia para a execução de projetos de extensão e cursos de capacitação.

No momento, desenvolve o programa de extensão A comunidade de investigação filosófica no Ensino Fundamental. Suas ações concentram-se nas escolas estaduais Tomé Portes del-Rei e Ministro Gabriel Passos, em São João del-Rei, e fundamentam-se em estudos do filósofo e educador Matthew Lipman e de sua colaboradora Ann Sharp. No Brasil, consideram-se os estudos de Marcos A. Lorieri, Walter O. Kohan e José Auri Cunha.

Por meio de uma prática reflexiva na sala de aula a partir de contextos significativos, o programa exercita as habilidades cognitivas de investigação, raciocínio, formação de conceitos e tradução. Narrativas, artes, jogos e materiais audiovisuais adequados à realidade infanto-juvenil servem de contextos problematizadores que iniciam a discussão na comunidade investigativa.

E nas discussões em sala de aula, é possível observar a melhoria da capacidade de argumentação e da habilidade de investigar algo problemático. Enfim, o programa ajuda na formação de um estudante mais reflexivo e com capacidade de produzir significados. Unindo reflexão e ação, incentiva um comportamento mais coerente e ético, na escola e no âmbito social.